Diferenças entre marketing político e eleitoral

Quantas vezes você já escutou a frase: “esse candidato só aparece em época de eleição e depois some”.
Provavelmente, o candidato em questão investiu somente em marketing eleitoral, ou seja, definiu as suas estratégias a curto prazo com um único objetivo: ganhar a eleição. Esse é um dos motivos do porquê da estratégia ser tão importante, principalmente para o candidato que tentará a reeleição. Sempre lembrando que, cada vez mais, os eleitores estão cansados de políticos sazonais, aqueles que só aparecem em época de campanha.
O marketing político tem o intuito de criar uma imagem forte do parlamentar perante o seu público (eleitores). Para isso, é preciso criar e desenvolver ações permanentes, e não só em época de campanha. No marketing político, o futuro candidato não pedirá votos aos seus eleitores, mas irá criar conteúdo para aproximar-se deles. E há diversas maneiras de fazer isso, pode ser participando de eventos, mantendo contato e diálogo através de e-mails, sms, grupos de whatsapp ou lista de transmissão, mantendo presença constante nas redes sociais, informando suas ações em prol da comunidade, entre outras.
O marketing político antecede e da base para o marketing eleitoral. O Marketing eleitoral é utilizado em época de campanha, o objetivo é ganhar a eleição, suas estratégias são de curto prazo, é onde se pensa slogan, propagandas, é o momento de pedir o voto, de dizer porque merece ganhar a eleição e o que pode fazer pela população.
Se o marketing político foi bem estruturado, quando iniciar a campanha o político já tem traçado o perfil de seu público, já sabe que tom seu discurso deve seguir e já divulgou seus trabalhos e ações, o marketing eleitoral se encarregará de divulgar projetos e ações futuras pretendidas pelo candidato.

Por Bárbara Barbieri/ Jornalista